2 de janeiro de 2012

VELOCIDADE MÍNIMA

Foto: autonet.ca

Fala-se muito em velocidade máxima, limites, controle eletrônico, haver ou não aviso da existência desse controle, mas pouco ou nada se fala de velocidade mínima. O nosso código de trânsito tem uma grave falha: estabelece como velocidade mínima a metade da máxima (Art. 62), o que é pouca velocidade.

No exemplo acima, a velocidade mínima é 86% da máxima e seria ótima idéia que se adotasse o mesmo aqui. Assim, nas rodovias de limite 120 km/h não se poderia trafegar a menos de arredondados 100 km/h. Seria uma importante medida de segurança do trânsito como um todo, além de reduzir o trânsito lento causado pelo prosaico "excesso de veículos" que as rádios-trânsito insistem em falar, o que não existe em teoria, pois basta um único trafegar lentamente para formar o congestionamento.

O transporte pesado e ônibus, que pode rodar a até 90 km/h nas auto-estradas, teria 80 km/h como mínimo. Evitar-se-ia a necessidade de um ultrapassar o outro por estar lento, o que se vê comumente na Alemanha, todos os caminhões em fila, como se fosse uma grande composição ferroviária. Muitos acidentes acontecem nas ultrapassagens de caminhões.


Como autorizado hoje pelo código, pode-se andar a 60 km/h numa auto-estrada de limite 120 km/h até na última faixa à esquerda, apenas sendo infração não dar passagem quando solicitado (Art. 198, infração média).

Na vizinha Argentina, a auto-estrada que leva ao aeroporto Ezeiza tem velocidade mínima estabelecida de 80 km/h, ante 100 km/h de velocidade máxima permitida. Perfeito, nesse ponto os argentinos dão de 10 a 0 nos brasileiros.

O leitor já deve ter notado que alguns motoristas prejudicam a fluidez ao trafegar mais lentamente que os demais carros, o efeito sendo mais prejudicial quanto mais denso for o tráfego.

Velocidade mínima elevada só traz benefícios. Afasta carros velhos e/ou com pouca potência da estrada, ou aquele motorista mal-preparado. No que diz respeito caminhões e ônibus, haveria uma seleção natural, podendo trafegar nas auto-estradas somente os de relação peso-potência que proporcionasse desempenho compatível.

Por falar em velocidade, chegou-me no dia 30 último, pelo leitor Ivo Júnior, uma notícia surpreendente, publicada no site Pense Carros.

Carteira C para dirigir carros com mais de 300 cv

Projeto de Lei 2332/11 do deputado Paulo Foletto (PSB-ES) estabelece exigência de carteira categoria C (para conduziir veículos de carga acima de 3.500 kg de peso bruto total) para se dirigir veículos de potência acima de 300 cv. O PL, segundo a notícia, encontra-se em análise na Câmara, tramita de forma conclusiva e será analisada pelas comissões de Viação e Transportes e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Arrazoa o deputado que "veículos com 300 ou mais cavalos são, para um motorista ousado e entusiasmado, inclusive os que dirigem sob influência do álcool, um convite ao teste de suas capacidades e ao excesso de velocidade, com conseqüente descontrole do condutor no trânsito e acréscimo das possibilidades de acidentes fatais".

Essa é mesmo perfeita para o "Acredite...se quiser" do Jack Palance, associar carteira categoria C – para veículos de carga – a veículos de alto desempenho. Se o nobre representante do povo saísse com uma proposta tipo uma hipotética carteira categoria S, até que mereceria consideração, embora fosse inviável pôr tal medida em prática.

Como tenho dito, a cabeça do brasileiro anda mesmo mal. Quando cabeças como essa chegam ao Congresso Nacional, pode-se esperar tudo. Ou melhor, não se pode esperar nada.

BS

129 comentários:

  1. Bob! Post PERFEITO!

    Se a mídia comprasse essa idéia, certamente entraria em pauta.
    Mas... vai ter gente que vai se ofender, pois seria um incentivo (?!?!) a velocidade.
    É incrivel como o pessoal do br gosta de andar abaixo da velocidade na pista ESQUERDA... e acham que estão fazendo um "bem"...

    ResponderExcluir
  2. A carteira "S" é uma alusão ao piloto Senna?

    ResponderExcluir
  3. Augusto Filho02/01/12 12:11

    Esse PL é uma graça.

    ResponderExcluir
  4. Pior que isso, é imaginar centros de formação de condutores, utilizando bólidos de 300 CV para aulas práticas! PIOR!!!.. qual será o critério utilizado para forma-los? Imagina só os Instrutores responsáveis...

    Henrique

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso o cara teria que ter alguns anos de experiência com "carros comuns" - categoria B - para depois poder ter a CNH categoria S.

      Se não for assim, o instrutor diria: - Agora tire o pé do pedal da embreagem devagar... bem devagar... não, aí nao!! tira o pé daí!! põe o pé no freio!! o freio!!! ah,ah,ahhhhh!!!! POW!! E lá se foi o Camaro novinho...

      Excluir
  5. Velocidade mínima deveria ser adotada até por faixa.

    Por exemplo: pista com 3 faixas, a da esquerda até 80% da máxima, a do meio 65% e, a da direita, 50%.

    O que se vê por aí é uma fila interminável de carros nas pistas da esquerda e as da direita livres. O melhor exemplo é a Imigrantes.

    Lá, os bacanas andam a 90/100 na faixa da esquerda e ainda brecam no radar! E os mais bacanas, costurando pelas faixas da direita...

    ResponderExcluir
  6. Oi Bob.


    O limite mínimo realmente precisa de um estudo cuidadoso, pois quanto maior a diferença de velocidade entre os veículos, maior o risco de acidentes. Veículo muito lento (e repentino) à frente pode provocar "guinadas repentinas", sem nem ao menos verificação segura de execução da manobra (sem ao míimo uma breve consulta ao retrovisor). Claro, além da perda do fluência no fluxo de veículos. Existem estudos antigos e atuais (http://www.tecmundo.com.br/7053-empresa-japonesa-desenvolve-simulador-de-congestionamento.htm), tanto para meios urbanos ou não.

    Perigo mesmo é este povo "no controle" de nossas vidas (vivemos sob o chicote de suas leis). Deveriam limitar a quantidade de cavalos por lá também; isto podemos fazer.

    Teria que o condutor, para usufruir do direito de direção de veículo de passeio compotência igual ou superior à 300cv, realizar exame igual aos que submetem-se à classe C? O que tem a condução de véculos de carga com a condução de veículos esporte? As reações em muito antecipadas (direção defensiva no seu ápice?)? Como mesmo disseste, antes fosse uma categoria "S". "Se forem fazer, que façam direito", não é mesmo!?

    Um bom ano que inicia aos que participam do AUTOentusiatas!

    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Nas aulas pra nova categoria C então deveríamos ter um Camaro com 1710 kg de carga no porta-malas, por exemplo.

    Dada a sutileza de direção com que muitos motoristas de caminhões altos e estreitos dirigem na Marginal Pinheiros, condução de carro esporte tem tudo a ver, aham.

    ResponderExcluir
  9. Bob Sharp, como você é ingênuo.
    Aprender a dirigir veículos acima de 3,5ton tem tudo a ver de como dirigir um Camaro.
    Você não vê a semelhança?


    Duh!
    Mais uma para o acredite se quiser, concerteza. Isso é medida eleitoreira, de tanto que a mídia enfatizou os acidentes envolvendo veículos de alta performance. Como se ninguém morresse por imprudência em carros pouco potentes conduzidos por pobres.

    ResponderExcluir
  10. Que este deputado débil-mental me dê então, um carro de 300 cv. A carteira "C" eu sempre tive. E falando nela, outra idiotice do código de trânsito: esta carteira me dá o direito de dirigir um caminhão de mudança, mas não o de dirigir uma van com 10 lugares, como uma Fiat Ducato Combinato, por exemplo, que tem um comportamento dinâmico muuuuuuuuuuito mais próximo de um carro comum, que um caminhão.

    ResponderExcluir
  11. desde quando estão preocupados com segurança? pra mim estão preocupados só com multar todo mundo pra arrecadar mais!

    ResponderExcluir
  12. Hélio Corazza02/01/12 13:24

    Daqui a pouco vão aparecer alguns babacas com problemas e interpretação de textos descarregando todo o discurso politicamente correto brazuca "que educa emburrecendo".

    Para estes valia uma experiência inigualável de dirigir na Alemanha, onde se tem mais estrutura e preparo do que artimanhas e punições.

    Iriam experimentar velocidades mínimas em um país com 5x mais automóveis que o Brasil e com uma população 50% da nossa, mas todos em um país menor que o estado de MG. E lá não há "excesso de veículos" - como explicar hein super-espertos jornalistas, babacas e CETzóides?

    Estradas sem limite máximo, limite mínimo 80% do máximo, densidade 8x maior de carros, mais carros velhos do que aqui, mais tráfego, baixíssimo número de acidentes, baixo número de radares e multas e alta fluidez sem congestionamentos? Como explicar agora? Ponham seus argumentos na mesa. A maior causa de congestionamento disparado na Alemanha são obras de revitalização.

    Quero que engulam essa antes de virem escrever baboseira por aqui!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Estradas sem limite máximo, limite mínimo 80% do máximo" como calculam o limite minimo ae fera?

      Excluir
  13. Exatamente. O que mata não é a velocidade, mas a diferença de velocidade entre os carros.

    Mas considero inviável uma margem tão estreita como 20%, já que nem os velocímetros dos carros fornecem tanta precisão (geralmente há uma margem grande de erro para menos na velocidade real).

    Se pelo menos houvesse uma maior conscientização de que os veículos lentos demais são causadores de acidentes, e uma maior divulgação dos limites de velocidade mínima nos critérios atuais mesmo (pois muitos nem se lembram que isso existe), já seria um grande passo...

    ResponderExcluir
  14. Bob,
    Pior. Em muitos casos o manolo trafega na rodovia abaixo da metade da máxima, por n razões.

    Aliás - vi nesse final de ano bastante - porque não pegam os caras que andam com 7 pessoas dentro do carro? Crianças amontoadas na traseira, insulfilm no parabrisa, cnh comprada a prazo, farol apagado a noite... e o problema é velocidade? ora ora...

    ResponderExcluir
  15. Corazza esqueceu de mencionar que nas Autobahnen existe radar pra mínima.

    Isso mesmo! Cara lento demais leva multa.

    ResponderExcluir
  16. Como eu queria que burrice fosse crime previsto em lei. Esse deputado pegaria trinta anos.

    ResponderExcluir
  17. Bob, desculpe a brincadeira, mas não pude resistir...

    Não dê idéia para os nossos legisladores e fiscais de trânsito... excesso de velocidade já dá muito dinheiro para essa gente. Que dirá se inventarem de multar por velocidade mínima? ai qualquer engarrafamento será uma festa para eles... hahaha Brincadeiras à parte, um ótimo texto.

    Quanto à ter carteira diferenciada para dirigir carros com potência elevada, eu diria que é um diferencial que deveria ser considerado, porém acho que ao invés de misturar as categorias, como o Ilustríssimo deputado propõe, deveria ser adicionada outra categoria de forma restritiva, da mesma forma como funciona para motocicletas, senão qualquer um que tenha uma categoria acima, poderia dirigir um superesportivo.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Só vejo uma solução: colocar um muro em torno do estado de São Paulo e proibir a entrada de estranhos. Somos a locomotiva do Brasil.

    ResponderExcluir
  19. Anônimo acima: concordo em partes, não diria um muro em volta de SP, mas sim criar uma área dentro do estado e cercá-la, e lá dentro colocar todos os idiotas que votam no Tiririca e você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahah... adorei a resposta!!! Concordo!!!

      Excluir
  20. marcelo (jmvieira)02/01/12 14:25

    ô minino minino... minino...

    mas eu sou adepto a que criassem uma categoria diferenciada ao dar a CNH para automoveis, porem a potencia e o motor deveria ser menor... ao meu ver somente os automomveis iguais e acima de 1.0 L deveriam cair na categoria onde os motoristas precisavam ser reinstruidos.

    ResponderExcluir
  21. São Paulo locomotiva do Brasil?

    Haha, tire as commodities que exportamos a preço de banana e veja o que acontece com o país!

    São Paulo simplesmente concentrou as atividades em torno do comércio de commodities e por isso ficou grande e "importante". Mas ninguém no mundo se interessa pelo que a cidade de São Paulo produz. Nem nas enchentes, nossa especialidade.

    Tire São Paulo do mapa.
    Agora ao invés, tire a Amazônia do mapa e descubra o que realmente é a locomotiva do país.

    Paulista se acha...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem todo, nem todo....
      Sou paulista/paulistana
      E nem por isso me acho "bad ass" ou que sp eh melhor... na verdade se eu pudesse sairia fácil daqui

      Excluir
  22. Gustavo Cristofolini02/01/12 14:40

    Bob, acredito que um dia voce consiga se fazer entender e 'proibir' o uso de peliculas nos vidros, mas, conseguir fazer 'os caras' em Brasilia entenderem de transito e estabelecerem velocidade mínima em torno de 80% da máxima vai ser dificil, eu diria, impossível. O melhor exemplo é a noticia do projeto de lei que estabelece a necessidade de habilitação para dirigir caminhão (categoria C) para veículos com mais de 300cv. Como se quem dirigisse carros menos potentes não fossem imprudentes e como se o maldito CGzeiro não fizesse um monte m3rd4 cortando de um lado para o outro. Acho que falta, principalmente, educação e bom senso. Um abraço e Feliz Ano Novo.
    Gustavo

    ResponderExcluir
  23. Boa Bob !

    Por acaso os radares multam quem está em baixa velocidade ?

    --

    "Curioso" como a mídia já começou a idolatrar semanalmente a última medida do contran sobre a não obrigatoriedade de aviso sobre os radares.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cara, quem anda correto, nao tem medo de radar, velocidade maxima permitida esta ali para sua seguramça, houve estudos para ter esse limite.

      Excluir
    2. Anônimo 03/01/14 22:18
      Essa "segurança" é mais falsa que uma nota de 30 reais, é um patrulhamento sobre o cidadão criado exclusivamente para gerar arrecadação com multas. Estudo? Boa piada essa sua.

      Excluir
  24. Caso estabeleça velocidade mínima como ficariam os veículos 1.0, pois sempre na frente de uma fila tem uma carroça de 1000 cilindradas atrapalhando o trânsito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A carroça que carrega vc!

      Excluir
    2. Dirceuzão
      Desculpe, você não sabe o que está falando, prova de que não tem idéia do quanto um carro 1,0 anda. Não é o carro 1,0 que atrapalha o trânsito "lá na frente", mas o motorista dele, que precisa aprender a dirigir de fato.

      Excluir
  25. Bob,

    É difícil engolir, mas os argentinos, infelizmente, nos ganham quase todas de goleada.

    Povo culto faz a diferença.

    ResponderExcluir
  26. Na BR 101, principalmente no trecho que corta SC, tem inúmeros caminhões com mais de 40 anos que trafegam a velocidades muito aquém do ideal.
    No trecho que passa pelos portos de Itajaí e Nevegantes, então, é um absurdo de ver tantos caminhões antigos e em baixíssimas velocidades, utilizados para o transporte de containers.
    Aí, é claro que o que mais se vê é caminhão ultrapassando caminhão.

    ResponderExcluir
  27. Rafael Tamburus Felgueiras02/01/12 15:11

    Dirceuzão
    Por condições financeiras possuo um carro 1.0. Acho seu comentário puro preconceito. Sei das limitações de potência do meu carro, mas consigo acompanhar sem problemas o trânsito da Bandeirantes a 120 km/h, mesmo nas dúvidas, basta saber conduzir.
    Quanto a velocidade mínima, concordo plenamente, mas acho pouco provável que seja adotada tal margem no Brasil. Pelo menos aqui na minha região (Ribeirão Preto) observo muitos caminhões de cana trafegando a menos de 40km/h nas rodovias.

    ResponderExcluir
  28. Rafael Tamburus Felgueiras02/01/12 15:15

    No meu comentário anterior, quis dizer subidas e não dúvidas.

    ResponderExcluir
  29. Perfeito o artigo sobre a velocidade mínima. Sempre que viajo ao exterior e me deparo com essas placas, imagino os benefícios que tal norma traz.

    Sobre o outro assunto, se carteira de habilitação do tipo C desse mais capacidade ao condutor, não haveriam tantos caminhoneiros se envolvendo em acidentes, muitas vezes bêbados ou drogados. Irresponsabilidade não tem nada a ver com categoria de habilitação.

    ResponderExcluir
  30. Aqui nas estradas da Bahia são comuns os caminhões e bi-trens levando cargas com peso até o dobro da máxima permitida pelo carro.

    Isso traduz em veículos andando a 20 km/h nas subidas e motoristas desrespeitando a faixa contínua porque perdem a paciência.

    Sabemos bem como é vir a 120 km/h e ter de reduzir a 20km/h quando encontramos um desses em locais não propícios às ultrapassagens.

    Não temos balanças nas estradas federais da Bahia.

    P.S.: A propósito: o new civic está com ágil de 4 mil em salvador. 4 mil reais acima dos valores sugeridos pela HONDA.

    ResponderExcluir
  31. Triste esse país, em que para ser gari, é preciso ter ensino médio. Para ser deputado, e até presidente (né "cumpanheiro") não precisa ter nem ensino fundamental...

    Aí um deles vem querer legislar sobre aquilo que não entende e compara um carro esporte a um caminhão. Então, o Zeca cachaceiro do FNM 1960 pode dirigir uma Ferrari, e eu, com mais de 20 anos de carteira, sem nenhum acidente, não posso?

    ResponderExcluir
  32. Eu nunca ouvi falar de uma multa aplicada por velocidade abaixo do limite mínimo, pesquisei no google e só encontrei piadas, não encontrei uma estatística nacional de multas.
    Já é comum nas rodovias motos de baixa cilindrada (100-125) que se esforçam pra andar a 100 km/h, recentemente estão pipocando aquelas mais fracas ainda, as mais baratas (não que seja por causa do preço), scooters e outras "coisas" que não deveriam sair sair do perímetro urbano, andando a 60, 70 km/h numa rodovia de 110.
    Quanto exigência da categoria C para acima dos 300cv, tenho quase certeza que o conteúdo do curso seria outro, nenhum deficiente mental exigiria curso de carga para veículos rápidos ou esportivos, e também de nada adiantaria, basta ver o que ensinam nas categorias atuais.

    ResponderExcluir
  33. Por mais que eu tenha sim o preconceito com carro com motor 1L sei que é plenamente possível a eles acompanhar a velocidade de 120km/h em uma estrada.

    ResponderExcluir
  34. Bob Sharp,
    concordo quanto à importância de existir um limite mínimo, todavia não concordo nos termos propostos.

    Se o limite mínimo metade do limite máximo não é o mais adequado, salvo o devido respeito, penso que 20% também não o será, mas passo a explicar e depois me dirá.

    Sou a favor de que exista um limite mínimo nas vias reservadas a veículos que possuam infraestruturas que permitem a entrada e saída nas mesmas acima desse limite. Nas restantes vias, uma cláusula geral de proibição de circular a uma velocidade tão lenta que cause perigo ou embaraço ao restante trânsito e uma fiscalização eficaz, resolveriam o problema (o mesmo vale dizer para o uso das faixas da esquerda que só deveria ser permitido para ultrapassar ou tomar direção).

    Só não sou a favor da regra dos 20% porque com essa regra não existe um espetro suficiente de velocidade comum entre os veículos mais rápidos e os mais lentos, criando problemas ainda maiores e de difícil resolução quando um veículo mais lento seguisse na frente de um mais rápido e o último, impedido de o ultrapassar, tivesse que reduzir a sua velocidade abaixo do limite mínimo permitido. Sou apologista da simplificação das regras e nada mais simples do que instituir um limite mínimo para todos os veículos (tendo em atenção os mais lentos). Por exemplo, para todas as auto-estradas podia-se estabelecer um limite mínimo de, digamos, 70 km/h (sem prejuízo de se estabelecerem pontualmente limites locais inferiores ou superiores conforme a geografia, condição da via, ou faixa utilizada) que seria de fácil apreensão para todo o condutor e que garantiria que todo o veículo não circularia abaixo dessa velocidade. Para ilustração daquilo que estou escrevendo atente na sinalização utilizada em Portugal da página 20 e 22 do seguinte documento: http://escolovar.org/Sinalizacaorodoviaria.pdf.

    ResponderExcluir
  35. Bob!
    Pior q até na cidade tem motorista q andam a velocidades muito baixas, ocorrendo congestinamento. Ademais, embora eu saiba da regumanetação da velocidade mínima, nunco soube de alguém ser multado por esse motivo, a excessão de um tio meu que foi multado por excesso de velocidade ao entrar na alto estrada e na semana seguinte foi multado pelo mesmo guarda por entrar na auto estrada muito lento, mas isso foi na década de 70.

    Em relação a uma categoria d habilitação para carros mais potentes, essa é piada da pior.

    Hoje o blog do sanco publicou uma foto de um opala divisão I em tarumã, etapa do brasileiro de 73/74, pilotado por Jan Balder e Bob Sharp. Se possível, gostaria que vc de sua opinião sobre a pista de Tarumã e descrevesse uma de suas corridas e o compartamento de uma opala e uma maverick naquela pista.

    Obrigado e abraço.

    Tazio Nuvolari

    ResponderExcluir
  36. Alan
    O curso não tem como ser outro, categoria C é categoria C e ponto, a autoescola não está interessada no que o aluno vai fazer depois. Para que o curso seja diferente só criando-se uma nova categoria.

    ResponderExcluir
  37. A solução para o trânsito no Brasil é ... começar do zero:
    1) nova legislação (menos artigos, mais conteúdo e eficácia0
    2) novos motoristas (...). 90% não poderia continuar a dirigir. Não tem noção do elementar...
    3) nova organização de trânsito (chamar os departamentos de trânsito de departamentos de "engenharia" de trânsito é blasfêmia.
    4) veículos mais eficientes (em todos os sentidos).

    Aliás, algo para se comemorar: a partir de ontem é obrigatório a venda de diesel no padrão europeu, muito menos poluente.

    ResponderExcluir
  38. Só lembrando que a vel. máxima pelo CTB é 110 para automóveis, 90 ônibus e motocicletas e 80 caminhões. A mínima é metade da máxima, respeitada as condições de trafegabilidade e não precisa radar para fazer a multa. Com relação aos acidentes, este fato não é causa comum de acidentes em rodovias.
    Sobre isso, acho mais importante a duplicação das rodovias, que são em sua maioria simples pra manter os veículos lentos na faixa da direita. Além disso, a colocação de balanças para pesagem de caminhões ajudaria bastante, além de conservar as estradas.
    Acho interessante esta ânsia de vcs e dos autores deste blog em tentar implantar regras de países civilizados no Brasil, como se aqui fosse funcionar. Não sou contrário a discussão dos temas.

    ResponderExcluir
  39. Matheus,
    Países civilizados como... a Argentina por exemplo?

    Isso só mostra como avançamos economicamente e regredimos socialmente.

    ResponderExcluir
  40. Pedro de Albuquerque02/01/12 17:08

    O próprio deputado assinou em baixo que nosso sistema de aprendizado para automóveis não significa nada. E para acima de 3,5 ton também é a mesma porcaria, mas do modo que ele coloca parece haver um "superaprendizado", o que não é. Compra-se a carta mesma coisa, ou se faz meia dúzia de manobras decoradas a velocidades de lesma.

    E ainda tem outros acéfalos que vão ao encontro da medida...

    ResponderExcluir
  41. sobre os limites, quem tem circunscrição sobre a rodovia poderá colocar limites maiores. Estas velocidades que citei são para lugares sem sinalização.

    ResponderExcluir
  42. Sempre fazem as coisas pela metade. Regulam a velocidade máxima (de forma patética, especialmente em SP) e não regulam a mínima. Fazem uma lei sobre faixa de pedestres (que eu gostei), mas não educam o povo sobre respeitar o semáforo de pedestre - o que se vê de pedestre "cheio de razão" aqui em SP atravessando a rua com o semáforo de pedestre fechado e atrapalhando o trânsito não tá escrito.
    Apesar de eu ser totalmente a favor da regulamentação da velocidade mínima a 70% ou 80% da máxima, é preciso ter fiscalização senão nada vai mudar. Quando foi a última vez que alguém aqui viu uma viatura da polícia rodoviária patrulhando a estrada? Eu não consigo me lembrar, e olha que viajo até que bastante. As estradas viraram verdadeiras praças de guerra, salvo nos pontos de radar ou postos da PR, manolo faz o que bem quiser.

    ResponderExcluir
  43. Eu só queria que os buracos fossem tampados, ou que fizessem asfaltos de qualidade. É simplismente ridículo vc pagar uma bolada de IPVA e ainda ter que desempenar uma roda porque caiu num buraco.

    Se o dinheiro arrecadado com multas servisse ao menos para isso, e de fato fosse aplicado, acho que eu até faria questão de tomar umas...

    Aqui em Brasília nesse final de semana morreu uma pessoa por conta de um acidente causado pelo acúmulo de água em uma pista mal projetada, detalhe que a via possui 2 anos de existência.

    Mas pra isso não existe punição...

    ResponderExcluir
  44. O problema não é a velocidade mínima. É a máximo mesmo, que andam abaixando pra limites ridículos.
    Quanto à carteira especial pra dirigir carrões, sou totalmente a favor, mas não equiparar ao nível C.

    João Paulo

    ResponderExcluir
  45. Também sou favorável a uma habilitação especial para guiar carros de alta performance, desde que fosse um projeto planejado com critério e bom senso. Mas exigir carteira categoria "C" é ridículo, como sugeriram seria necessário uma habilitação "AA", "S" ou coisa parecida com exames próprios.

    Além disso, o critério para determinar quais automóveis exigiriam a habilitação especial deveria ser baseado não na potência pura e sim na relação peso/potência, por exemplo carros com 7 kg/cv ou menos.

    ResponderExcluir
  46. Adriano
    Sem dúvida que critério deveria ser relação peso-potência, jamais potência absoluta.

    ResponderExcluir
  47. Rodrigo Neves02/01/12 18:54

    Duvida: se estou em uma via onde a velocidade máxima é de 100 km/h, pela esquerda e trafegando a velocidade máxima, sou obrigado, pelo CBT, a dar passagem ao veículo infrator?

    ResponderExcluir
  48. Anônimo 2/1 12:10
    Poderia ser, por que não? Mas a idéia foi "S" de super (carteira).

    ResponderExcluir
  49. Rodrigo Neves
    Sim, sempre. Não fazê-lo é infração ao Art. 198, nível média.

    ResponderExcluir
  50. Allan Welson
    Incrível, esse simulador usado no Japão para reduzir congestionamentos. Igualzinho a aqui...

    ResponderExcluir
  51. Digamos que criem as categoria A"s" e B"s" para os veículos de alta performance, digamos que apliquem toda teoria correta (só isso já seria motivo de risos). Como fariam nas aulas práticas? Com o carro do aluno? No autódromo? Seria uma boa, meio impossível mas seria uma boa.
    Talvez exigir um curso de pilotagem.
    E no meu caso com veículo turbo adaptado e legalizado, a potência declarada não bate com a real, aliás, falando a verdade, só paguei pra legalizar, foi muito simples e é assim que acontece, só fiz o que me pediram, paguei pra ter um documento.
    É o velho problema, começam de cima pra baixo. Basta ver o quanto é ridículo os ensinamentos em cfc e auto-escolas.
    É simples corrigir tudo isso, falta inteligência.

    ResponderExcluir
  52. Aliás minha carta foi suspensa, a 3 anos estava suspensa e eu não sabia, não fui comunicado, já fui parado em blitz e tudo bem, a cnh estava na validade, só no final de 2011 quando tentei mudar de categoria que descobri. Por causa de uma multa onde o limite era 30 passei a 65.
    Conclusão: vou pagar 250,00 pra fazer o "curso" de um dia, uma prova, nem preciso falar como vai ser a prova.
    Ou seja, vou pagar outra multa pra ter minha carta.

    ResponderExcluir
  53. Dirceuzão
    Qualquer carro 1-litro atinge 150 km/h. O cara não acelera porque não quer.

    ResponderExcluir
  54. FL
    Tentei abrir o pdf mas está muito lento agora. Vou tentar mais tarde.

    ResponderExcluir
  55. Anônimo 2/1 16:42
    Perfeito, começar do zero. Formatar o HD, como tenho dito.

    ResponderExcluir
  56. Matheus
    O Brasil não é diferente. As pessoas é que o fazem assim. É só adotar prncipios sadios, no caso de trânsito, que todos se enquadram.

    ResponderExcluir
  57. Grechejr, pra manter 120 km/h o pior carro em termos de arrasto aerodinâmico e peso (acho que o Fiesta Rocam entre os com motor 1000 cm³) não gasta nem 35 cv.

    ResponderExcluir
  58. Ivo Junior02/01/12 19:59

    Uma ideia para habilitação especial S, para veículos com relação peso/potência de veículos esportivos (carros E motocicletas), seria incluir cursos de pilotagem esportiva, com um mínimo de horas, em autódromo. O Centro de Pilotagem do Roberto Manzini, em Interlagos, ou a Escola Gaúcha de Pilotos, em Tarumã, entre outros centros de formação de pilotos, resolveriam fácil este impasse. De quebra incentivariam o já cambaleante automobilismo, pelos tropeços constantes da CBA.

    Fazem essa exigência para habilitação D, com cursos específicos ADICIONAIS para o transporte de pessoas. Por que não estender a uma nova categoria de habilitação, para veículos esportivos (motocicletas também), ao invés de associar condução de veículos velozes com veículos de carga? Insensatez é pouco!

    E, em geral, fiscalização e penalizações duras para quem comete infrações, principalmente embriagado e envolvendo vítimas. Não importa a categoria da habilitação. Mas, na gersonlândia, Jack Palance ri à toa!

    Abraço, Ivo Junior.

    ResponderExcluir
  59. Independente de quanto é o limite mínimo, nunca vi ou soube de algum caso de multa por transitar abaixo da velocidade mínima. O que falta é fiscalização, policiais rodoviários circulando pelas estradas e não parados nos postos de fiscalização. Aproveitando o assunto, tive uma surpresa positiva este fim de semana viajando pela RJ163, uma estradinha de serra entre Penedo e Visconde de Mauá (RJ), onde as placas indicativas de velocidade diziam "Velocidade de Segurança" 60km/h (valor que varia para mais, chegando a 80km/h ou menos, dependendo das condições do trecho). Não há um valor máximo, mas sim um valor recomendado. Afora isso, asfalto perfeito e sinalização (vertical e horizontal) idem. Havia passado por esta mesma estrada há dois anos e não era nem asfaltada.
    A categoria de habilitação diferenciada para carros de alto desempenho só faria algum sentido se tivéssemos rodovias sem limite máximo de velocidade, como na Alemanha. Ainda assim, jamais poderia comparar um carro desses com um caminhão. Isto é um completo absurdo. No mínimo o nobre deputado viu um caminhão com potência próxima a 500cv e acha que "é tudo a mesma coisa"

    ResponderExcluir
  60. Daniel San02/01/12 20:15

    Falta às cabeças coroadas em Brasília entender que o problema não é a velocidade mas a falta de bom senso,como gente que anda rápido demais em vias urbanas e devagar demais nas estradas ou com variações de ritmo sem razão aparente. Motoristas assim são um acidente móvel.

    ResponderExcluir
  61. Pedro de Albuquerque02/01/12 20:35

    Ainda bem que o Bob tocou nos carros "1000" como diz a 4Patas.

    Infelizmente não há prova teorica nem prática de como dar potênica ao motor (deveria ter até pra frear).

    Tá cheio de gente falando que o carro não anda, que o carro é 1,0, mas quem é nota 1,0 é quem está dirigindo.

    As pessoas não tem a educação de ao sair à faixa esquerda (quando não a está alugando...) para ultrapassar fazê-la no menor tempo possível.

    A educação de outros ramos da vida em sociedade vai ao trânsito, não tem solução por hora.

    ResponderExcluir
  62. Sim, é possível fazer um carro 1,0 andar a 120 Km/h ou mais, mas haja ouvidos!!!
    Me dá até desgosto... o bichinho se esgoela, prefiro abrir as janelas e ouvir o barulho do vento.
    Se bem que o carro que dirijo é um Escort Hobby e talvez por ter sido desses primeiros populares feitos nas coxas para concorrerem com o Mille ele tenha mais limitações que modelos mais recentes.
    Ou talvez tenha algum problema mecânico que não tenha percebido.
    Ou a causa seria os pneus 175/70 que uso nele, pois os originais são difíceis e encontrar e essa pode não ter sido uma boa alternativa.

    ResponderExcluir
  63. Uber,
    Pense que a diferença do seu Hobby por um Celta ou Clio atuais é de uns 25/30cv, ao menos 50% mais potência com no máximo 100kg adicionados no peso.

    Não dá pra tomar referência por ele...

    ResponderExcluir
  64. Pedro de Albuquerque02/01/12 21:11

    Bob, e como seria a placa de velocidade mínima?

    Fundo azul como parece que é em Portugal?

    ResponderExcluir
  65. o que tem de animal se arrastando na faixa da esquerda não é brincadeira!!

    ResponderExcluir
  66. Andar na estrada a 120 km/h com carro 1.0 é completamente fora de propósito, pois com o escalonamento do cambio desses carros, fica acima das 4000 rpm, o que acaba por consumir mais do que carros de maior capacidade volumétrica, infelizmente nesses tempos de combustíveis caros (nunca foi barato mesmo), o melhor a se fazer é realizar uma condução econômica, andar a 90/100 km/h mas sem atrapalhar a vida de ninguem, tudo é uma questão de bom senso.

    ResponderExcluir
  67. ao Bob,

    CHEGA de leis estapafúrdias! Não ao limite mínimo de velocidade, senão seríamos multados por pararmos na pista durante um congestionamento (não pense que não, no país que planeja suas leis já pensando na arrecadação com multas).

    ResponderExcluir
  68. Bob, excelente post.

    Sobre a questão dos carros 1.0 atrapalhando, que foi levantada em algum momento nos comentários, outro grave problema é a preguiça do brasileiro em reduzir marcha.

    Quando não é preguiça, é medo. Devem achar que elevar o motor acima de 3000 RPM explode o mesmo. Se for acima de 5000 RPM então, explode o carro inteiro.

    O resultado disso é ter que aturar um idiota ultrapassando outro idiota lentamente, ainda por cima reagindo de forma agressiva quando alguém atrás pede passagem.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  69. Putz, no Brasil, dirigir um Mercedes-Benz SLK ou um Mercedes-Benz Atego é a mesma coisa! Ambos exigem a mesma carteira C!

    ResponderExcluir
  70. Nada como o escalonamento de marchas do Uno 1.0 com motor Fiasa... 1ªmarcha 30km/h, 2ª 60km/h, 3ª 90 km/h, 4ª 130, 140, 148... E acabou a pista... Sem dúvidas um belissimo brinquedo... HAHAHAAHAHAHAHAHHAA

    ResponderExcluir
  71. 1. Vão modificar os limites de velocidade? As regras de trânsito serão diferentes para aqueles que adquirirem um veículo com mais de 300cv? certamente não.

    Qual o motivo então de se exigir carteira especial para seguir as mesmas regras de outros automóveis?

    Aposto que nem o deputado aí acredita no próprio projeto de lei. Deve ser mais um "jooji hato" da vida (lembram da máfia dos fiscais?) que devido a essas bobeiras tem o nome lembrado durante as eleições e consegue se (re)eleger mais facilmente.


    2. Não é o assunto do post, mas já que é para falar das trapalhadas, o que está virando "moda" em SP é a proibição de conversão à DIREITA sob o pretexto de existir faixa de pedestre.

    Ora, basta pintar a faixa uns vinte metros distante da esquina ou fazer como na Alemanha, em que os semáforos para os carros e os de pedestres ficam verdes concomitantemente. Basta aguardar o pedestre atravessar a via transversal e o carro seguir o caminho...

    O que não dá para aguentar é chegar num cruzamento e não poder virar à esquerda tampouco à direita. Dependendo do local tem-se que fazer uma volta de vários km para dobrar à esquina.


    Marco

    ResponderExcluir
  72. Vamos quebrar TUDOOOO !!!!!

    ResponderExcluir
  73. MInha CNH é AE, mas se alguma auto-escola montar um ap-turbão de 300 cv, faço aulas de novo numa boa.

    ResponderExcluir
  74. Eu discordo, embora reconheça que os efeitos seriam benéficos para os que usariam a rodovia.
    O que me faz discordar é tirar o já "capado" direito de ir e vir dos mais pobres, que tem carros antigos e com motores cansados. É fácil dizer que é bom que carros antigos e com manutenção precária parem de usar a rodovia, mas quero ver se vocês fossem um dos trabalhadores que ganham um salário ridículo e quem tem que usar o automóvel que têm para trabalhar ou mesmo viajar com a família pelo menos algumas vezes para visitar os parentes distantes. Ao meu ver essa medida de velocidade mínima de 80% da velocidade máxima só é boa para quem pode andar perto do limite de velocidade com seu carro mas que não respeita as limitações dos outros cidadãos, seja pelo carro não conseguir manter a velocidade em aclives acentuados ou então simplesmente ter que economizar o máximo possível de gasolina andando a uma velocidade menor, como 80Km/h numa rodovia cuja velocidade máxima é 110 Km/h. Acho lamentável que nesse blog as pessoas pensem somente no seu umbigo, espera o contrário dado o nível cultural dos leitores como um todo ser um pouco mais elevado que a média brasileira.
    Se o limite é 120 Km/h e eu simplesmente quiser andar a 60 Km/h, eu quero ter esse direito! Se eu tenho um FIAT 147 (não tenho, só um exemplo) que não passa de 100 Km/h porque não tenho dinheiro pra trocar anéis e retificar o motor, eu quero ter o direito de andar a 80 Km/h numa pista que eu PAGO para usar, mesmo o limite sendo 120Km/h. É engraçado que ao mesmo tempo que os paulistanos reclamam do rodízio porque são tolidos do direito básico de ir e vir, acham legal a ideia de todos os carros andaram na mesma velocidade do seu carro, mesmo não querendo... Que tosco!!
    Tomara que essa ideia absurda nunca se torne realidade no Brasil.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  75. Guilherme,
    Eu tenho um Camaro V8 e quero rasgar 250km/h na via de 110km/h porque eu PAGO pra andar nela, tenho o direito de ir e vir tão rápido quanto eu quiser, porque EU TO PAGANDO e posso tudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pro cara do camaro v6 claro que vc pode correr manda ve se fosse proibido o governo brasileiro limitava todos os veicolos em 110 km ok o interesse deles e arrecadar multas e a maquina do estado em movimento entende so limitam as rodovias e colocam lonbadas eletronicas e guardas porque sabem que muitos nao vao respeitar as placas e eles vao arrecadar grana muitaaaaa grana ok so se cuida e prepara o bolço kkk.

      Excluir
    2. Quer dizer que vc tem o "direito" de transgredir a lei ? Só porque está pagando um imposto que é
      seu "dever" pagar ? Não sei o que é maior: sua arrogância ou sua ignorância.

      Excluir
    3. esse cara deve ser aqueles infelizes que andam a 200km/h em vias de 60km/h e querem que todos saiam do seu caminho para ele tentar se suicidar em manobras arricadas, achando que ta em um filme.

      Excluir
  76. Guilherme,
    Se o limite é 120 Km/h e eu simplesmente quiser andar a 10 Km/h, eu quero ter esse direito! Se eu tenho um Patinete (não tenho, só um exemplo) que não passa de 30 Km/h porque não tenho dinheiro pra trocar o rolamento e desempenar a estrutura, eu quero ter o direito de andar a 20 Km/h numa pista que eu PAGO para usar, mesmo o limite sendo 120Km/h. É engraçado que ao mesmo tempo que os paulistanos reclamam do rodízio porque são tolidos do direito básico de ir e vir, acham legal a ideia de todos os carros andaram na mesma velocidade do seu carro, mesmo não querendo... Que tosco!!
    Tomara que essa ideia absurda nunca se torne realidade no Brasil.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  77. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  78. Esse projeto de lei deve ser um dos mais idiotas dos últimos tempos.

    Começando por exigir habilitação de categoria C pra se dirigir esportivos. Acontece que categoria C refere-se a veículos de carga com peso bruto total superior a 3,5 toneladas. Ou seja, são coisas completamente diferentes, saber dirigir um caminhão não implica saber dirigir um Ferrari com 500 cavalos.

    Depois, há ainda a questão da quantidade de acidentes com esses veículos. Apesar da mídia fazer um carnaval quando um esportivo caro bate, o número de ocorrências e de mortes relacionadas a essa categoria de veículos é minúsculo, quando comparado ao de carros populares, por exemplo.

    Em outras palavras, se somássemos todos os acidentes relacionados a carros esportivos caros com mais de 300 cv em um ano no Brasil todo, muito provavelmente não obteríamos um décimo do número de acidentes que acontecem com qualquer modelo de popular 1.0... por dia!

    ResponderExcluir
  79. Lorenzo Frigerio03/01/12 02:09

    O grande problema do Brasil é que, historicamente, as pessoas que chegam ao governo não curtem carro. O Mollusco nem carteira tem, e o que dizer da "dra." Dilma e do sabichão Mantega. O último que curtia carro foi o Collor e sua política nessa área foi a única coisa acertada que ele fez.
    Em relação às velocidades permitidas nas faixas, o que estraga é o excesso de caminhões nas nossas estradas. Se houver 4 faixas, 3 estarão lotadas de caminhões, e na 4a. haverá um automóvel querendo ensinar o limite de velocidade da estrada aos que vêm atrás. Esse País não tem jeito, mesmo.

    ResponderExcluir
  80. @Marcelo Silva

    "Quando não é preguiça, é medo." Nem fale Marcelo, conheço VÁRIAS pessoas assim, que acham que se subir o giro acima de 3000 rpm o motor vai explodir - e que se subir acima de 2000 rpm com frequência, não vai durar muito.

    Meu carro tem motor girador com pouco torque em baixa, então dependendo da situação é comum eu esticar até 4500, 5000 rpm. Algumas pessoas que andaram de carona comigo já chegaram a me chamar a atenção pro fato de acharem que eu estico demais as marchas. E não adianta tentar explicar. ¬¬

    Pior que isso, só viajar de carona com uma dessas pessoas numa subida de serra, num carro 1.0. Hoje em dia, prefiro recusar a carona e ir de ônibus.

    ResponderExcluir
  81. Vitor Alves03/01/12 03:15

    Como esse Guilherme fala merda. Velocidade minima só iria beneficiar a todos, com um fluxo no transito muito melhor e com certeza muito menos estresse. Se você quer andar mais lento do que todos os outros carros da via só por que você paga por ela, pelo menos fique fora do caminho dos outros, afinal os outros também pagam e tenho certeza que eles vão querer que você fique longe.

    ResponderExcluir
  82. Pedro de Albuquerque03/01/12 03:18

    Isso que vc estão falando sobre o uso do motor é a mais pura verdade.

    Outro dia um metido a sabe tudo de carros,"apaixonado por carros", que vivia corrigindo os outros, disse que nunca chegou perto da rpm de potência máxima de seu carro. Já está com o carro a 4 anos!!

    Quem gosta de carros visitar a faixa vermelha é obrigação, seja por necessidade ou por prazer. É como visitar Meca para os muçulmanos, é sagrado.

    ResponderExcluir
  83. Olá pessoal!

    Podemos falar o que quisermos aquì! O bom senso e o conhecimento sempre irão grifar as expressoes mais adequadas...O grande problema continua sendo o baixo nível de instrução, má informação, cultura próxima do "oxigênio zero", o que nos leva a ser representados por um congresso abaixo da linha do medíocre ( o que: Aceitem ou não, numa democracia é o retrato de nosso povo!) Assim colhemoa as "pérolas" dos representantes do povo, e as idéias e interpretações dos "técnicos" normalmente escolhidos por estes para gerenciar nossas vidas...è desalentador.

    ResponderExcluir
  84. Guilherme, isso que você mencionou se chama populismo barato. Quer dizer, o cara não tem $$ pra manter o carro em condições mínimas mas deve ter o direito de andar numa rodovia a 50km/h queimando óleo e atrapalhando o fluxo do trânsito? Vc jura que está falando sério?
    Se vc for de SP, só para citar um exemplo do que isso significa, visite a rodovia Mogi-Bertioga num domingo à tarde... É um monte de carro encostado porque ferveu na subida da serra, ao ponto de congestionar o trânsito.
    O que tem que acontecer, isso sim, é que todos tenham condições de ter um carro decente.

    ResponderExcluir
  85. Guilherme

    Tive carros velhos que, na medida do possível, mantinha em boas condições de uso mas só pegava rodovia com um ou outro melhor, e em trajetos relativamente curtos.
    Passei a dirigir sem me preocupar com a distância a ser percorrida quando comprei meu primeiro carro menos rodado, com injeção eletrônica e bem mais confiável e durável que os velhos que tive.

    Enquanto só tinha carro velho pra andar, viajava de ônibus e só parei de depender de ônibus rodoviário quando tinha um carro seguro pra rodar por muitos quilômetros. E era perfeitamente possível rodar com meus velhinhos na velocidade limite, ou próximo dela, mesmo nas subidas.

    Infelizmente, quem não tem um carro razoavelmente novo deve pegar um ônibus pra viajar. Enquanto nossos salários forem muito baixos e nossos carros (como quase tudo por aqui) forem caros demais, é a única solução.

    ResponderExcluir
  86. Um vídeo que retrata os motoristas.

    http://www.youtube.com/watch?v=r6Y9cuYMdo8&feature=related

    ResponderExcluir
  87. Guilherme, a sua ideia é completamente equivocada. Sugiro repensar seus conceitos.

    ResponderExcluir
  88. Os direitos pressupõem deveres. Nesse caso, para ter o direito de andar na rodovia o dever é manter o carro em condições de trafegar e ter habilidade suficiente para não se tornar um obstáculo. Só direito não existe, nem pagando. Totalmente equivocado o seu raciocínio e pior, disfarçado de 'justiça social'.

    ResponderExcluir
  89. Daria sim para fazer categoria S para veículos de mais de 300 CV, eu colocaria os seguintes critérios para o motorista poder pleiteá-la:

    1) Idade superior a 25 (ou talvez 30) anos.
    2) Habilitado há 7 anos ou mais.
    3) Sem a habilitação suspensa nos últimos 5 anos
    4) Não ter cometido infrações gravíssimas nos últimos 3 anos.
    5) Fazer curso de direção defensiva de "X" horas.
    6) Ser aprovado em curso de pilotagem de "X" horas em autódromo.

    Acho que com os critérios acima dá pra filtrar bem os motoristas irresponsáveis ou imaturos. Além disso, com o curso de pilotagem o cara aprende que pisar no acelerador de um carro com 400 CV é um bicho totalmente diferente do que acelerar um hatch médio de 100 CV, que a alta potência traz reações muito diferentes ao carro, reações a que o motorista comum não está acostumado. Por isso se vê tanta gente fazendo besteira com Camaro, principalmente molecada sem noção de perigo.

    No caso de legalização de aumento de potência, deveria ser exigido um laudo de dinamômetro (todo boyzinho de carro turbo não adora "colocar no dino" pra mostrar aos amigos?) comprovando a potência depois da preparação, e se tiver mais de 300 CV, constar no documento que exige CNH categoria "S".

    E pra mim, S é de "Sport".

    ResponderExcluir
  90. Adriano
    Estou com você: prefiro ir de ônibua a pegar carona com alguém que não sabe usar o carro corretamente. É altamente irritante.

    ResponderExcluir
  91. Pedro de Albuquerque
    Seria a mesma R-19 com a informação 'Mínima' abaixo.

    ResponderExcluir
  92. Daniel San
    O grande José Luiz Vieira é autor da frase "O brasileiro ainda muito rápido na cidade e devagar demais na estrada".

    ResponderExcluir
  93. Kleber Barroso03/01/12 12:26

    De novo PL voltado pra mídia e eleição.

    Virou moda agora se colocar contra carro esportivo e/ou qualquer quantidade de alcool ao volante.

    Como falou o Calor Farjoun (grande abraço amigo) não é díficil criar critérios sérios pra uma categoria de habilitação para dirigir esses veículos.

    Da mesma forma que a lei de alcoolemia deveria ser revista para critérios motores, e não de dosagem de alcool no sangue.

    ResponderExcluir
  94. Bruno
    Isso de girar alto em velocidade de estrada só acontece porque as fábricas decidiram que a quinta marcha tem de ser de potência. O Mille Fire atinge máxima em quarta e em quinta a 120 está 3.870 rpm.

    ResponderExcluir
  95. Carlos Maurício Farjoun
    Boa receita, essa. Eu só tiraria a questão da infração gravíssima.

    ResponderExcluir
  96. Antes do atual código de trânsito a velocidade mínima era 60% da máxima. Baixaram para 50% porque isso possibilita ter menor quantidade de terceiras faixas, diminuindo os gastos do estado com a obrigação de construir faixas adicionais nas rodovias. E isso foi antes das privatizações.

    Embora o artigo 62 do CTB determine uma velocidade mínima, não significa que não se pode rodar a 30 km/h numa rodovia com limite de 120 km/h. Significa apenas que não se pode sair da faixa da direita se não puder manter a velocidade mínima. Ou seja, se o veículo não conseguir rodar a mais que 50 km/h onde a mínima seja 60 km/h e à sua frente houver outro veículo, a 30 km/h, terá que ficar atrás dele até que tenha condições de atingir a velocidade mínima e só então fazer a ultrapassagem.

    Não é uma questão de física e sim de segurança, responsabilidade, educação, conhecimento da lei e, principalmente, paciência e bom senso.

    ResponderExcluir
  97. BS,

    Faltou mais uma condição: Qualquer suspensão da CNH "S" faria o motorista voltar para a categoria anterior e ele teria que esperar 5 anos após a suspensão para poder pegar a "S" novamente.

    Ou seja, infrações como andar acima do limite a mais de 50%, participar de racha, fugir de bloqueio policial, dirigir embriagado ou somar mais de 20 pontos em um ano fariam o sujeito perder o privilégio de dirigir um carro acima de 300 CV.

    Pra mim é claro, quem quer andar de carro potente tem ser uma pessoa responsável.

    ResponderExcluir
  98. Daniel San03/01/12 18:14

    Bob;
    Filosofia pura a do JLV...

    ResponderExcluir
  99. Daniel San03/01/12 18:16

    Bob,interessante sua observação sobre a 5ªmarcha. Meu Clio,a 120,vai pra mais de 4.200 rpm.

    ResponderExcluir
  100. Com a quinta engatada, o meu Mille 2006 à velocidade de 120km/h estará a 4000rpm.
    Provavelmente o carro estará a pouco mais de 40cv, mas já reparei que alguns sedans japoneses nesta velocidade estão desenvolvendo pouco mais de 30cv.
    Creio que o cx do veículo interfira nesta velocidade, mas acredito que esta relação poderia ser muito melhor.

    ResponderExcluir
  101. Nossa, como tem gente que faz questão de se fazer de bobo mesmo!! É claro que não é porque eu pago impostos que eu vou andar a 250 Km/h, pois há um limite de velocidade! Assim como não vou andar a pé a 3 Km/h, já que a velocidade mínima seria mais alta que isso. Se o limite fosse 250 Km/h eu poderia andar! Hoje em dia o limite de uma certa rodovia é, por exemplo, 120 Km/h e é nessa velocidade que eu tenho que andar, no máximo. Também tem o limite inferior, que seria de 60 Km/h. Querer subir esse limite inferior é querer se amarrar ainda mais à pouca liberdade que nos dão nas rodovias, não enxergam isso? Ou estão querendo só me chamar de babaca porque eu discordei da opinião da maioria aqui? Quem tem que ir "SF" é quem está implorando para perder mais uma liberdade que tem, que é a de poder dirigir a 60 Km/h nessa rodovia do meu exemplo...

    Não sou a favor de existir carros andando a 50 Km/h numa estrada onde o limite é 100 Km/h, mas não ser a favor disso não significa que eu suo contra esse cidadão ter o direito de trafegar pela rodovia. Sou a favor de aumentar os limites atuais para velocidade máxima nas rodovias em pelo menos 10%, dependendo da rodovia, mas sou contra diminuir a razão entre velocidade máxima permitida e velocidade mínima permitida, pois isso tira a minha liberdade que hoje eu dia eu ainda tenho! É isso! É difícil entender? Precisa chamar de babaca por causa disso? Antes a gente dava uma opinião e o povo aqui respeitava, agora o nível caiu bastante, infelizmente. Me perdoem pelo desabafo que com certeza uma maioria aqui não deveria ler, mas é que falta de respeito é demais pra mim.

    Acho que o Bob, concordando ou não comigo, entendeu o que eu disse no meu primeiro comentário 02/01/12 22:38. E mais que isso, não me desrespeitou e por isso mesmo é um exemplo a ser seguido por todos aqui.

    ResponderExcluir
  102. Anônimo 03/01/12 09:35, concordo que o ideal seriam ônibus para quem não pode ter um carro em totais condições de trafegar perto da velocidade máxima na via, mas uma família de 4 pessoas teria que comprar 4 passagens para fazer uma viagem que ficaria viável com o carro, mas não com o ônibus, pois com o carro o gasto com gasolina é menor que o preço de 4 passagens de ônibus nas maioria das vezes. E Paulo Roberto, vou pensar sobre o assunto mas creio que será difícil chegar a outra conclusão, mas obrigado por ao menos ter educação!

    ResponderExcluir
  103. Esse PL vai ser muito bom pra elevar o preço para se comprar uma habilitação C.
    Considerando que quem tem dinheiro para comprar um carro com mais de 300cv hoje em dia, com certeza nao vai pensar duas vezes pra pagar o suborno pra comprar carta para a familia toda
    Contra os meus protestos, minha ex mulher comprou a dela. E foi facil demais

    ResponderExcluir
  104. Guilherme, desculpe pelo comentário (eu fui o do patinete) mas é que esse argumento "Tô pagando, posso tudo" foi muito de Madame e eu não entendi o que você tava querendo dizer.

    ResponderExcluir
  105. Guilherme 50% de diferença é demais e é uma liberdade que ninguém deveria ter, da mesma forma que ninguém tem liberdade de ir a 250 só porque seu carro pode fazer isso. A velocidade relativa é um dos maiores perigos nas estradas e no trânsito, é ela a causa de muitos dos acidentes envolvendo motoboys por exemplo. E todos sabemos o quanto é grande o número desses acidentes e quantos deles têm resultados graves.

    Um carro que não consiga andar a 75% da máxima de 120 (ou seja, 90) tem que estar em condições muito ruins onde não só a velocidade relativa é um problema. Um carro assim vai estar com consumo e poluentes em nível muito elevado, soltando óleo pelo escape (que é um outro grande problema para a segurança) e geralmente com freios e outros itens de segurança passiva e ativa em estado ruim.

    Um carro assim não deveria nem andar na cidade, onde ele conseguiria manter velocidade adequada. Imagina numa estrada.

    Infelizmente nesses casos a pessoa tem que recorrer a um outro tipo de transporte. Não tem nada de liberdade ou ajuda aos mais pobres num caso desses, até porque quem tem um carro bem antigo e com mecânica simples tem condições sim de mantê-lo num estado onde seja possível circular com um mínimo de segurança. As peças desses carros são quase sempre mais baratas que um tanque de gasolina por mais caras e complicadas que sejam. Se a pessoa não consegue pagar nem um tanque de gasolina então acho que viajar em estrada é o que ela não vai fazer.

    ResponderExcluir
  106. Pode andar devagar, mas aprenda uma coisa: olho no retrovisor! sai fora! não seja um obstáculo móvel! use a iluminação corretamente à noite!

    Se quer andar sempre na esquerda: esquerda é SEMPRE livre quando possível! Não alugue ela pra você, você não tem idéia da condição de risco que você gera alugando esta faixa a dezenas de carros ao redor.

    ResponderExcluir
  107. Paulistano Inconformado04/01/12 12:48

    Quanto asno tem por aqui!!!

    Sugerir novas leis para aqueles que não tem capacidade é pedir para perder ainda mais a liberdade e pagar mais multas!

    E por favor, cerquem SP com muros altos e encham esta merda de água, quem sabe assim acaba-se com estes imbecis que adoram o governo que tem e que n ão faz nada pra melhorar a cidade e estado.

    ResponderExcluir
  108. A fábrica da ford na bahia já ta produzindo o novo Ka com chassi de fibra de cocô.

    ResponderExcluir
  109. Marcelo Junji04/01/12 19:29

    Se a quem cabe informar e educar (midias, governo, professores, etc.), se empenhassem mais em promover cultura e educação, metade dos problemas do Brasil seriam resolvidos.

    ResponderExcluir
  110. Marcelo Junji04/01/12 19:43

    Alguns falaram aqui do mal desempenho dos carros 1.0. Que carro será que eles possuem? Pois os "mil" hoje em dia estão andando quase igual aos 2,0 automáticos e pesadões, e se for tipo suv então...Opala 6cc passa aperto com os 1,0 de hoje em dia, pois a velocidade final é bem parecida.
    A coisa mais legal do mundo é ver carro mil dando sufoco em carros de motor maior.

    ResponderExcluir
  111. Guilherme,

    Com todo o respeito, qualquer carro deve ter o mínimo de manutenção, se não tem condições de mante-lo, não o tenha.

    Isso não é cercear a liberdade de ninguém, pois para cada direito há um dever.

    Porque sou pobre tenho o direito de andar com um carro sem manutenção? Se o motor esta ruim a ponto de não aguentar mover o carro dignamente, o que dirá da suspensão, freio, pneus, etc?

    Seu argumento seria válido se estivéssemos falando em proibir carros velhos ou outro tipo de discriminação, mas não é o caso!

    Até mesmo uma brasília ou fiat 147 têm condições de trafegar a 100km/h se estiverem com seus motores 100%.

    Quer andar na rodovia, tenha o carro 100%, não adiante falar que não tem dinheiro, que é pobre, sem oportunidade, etc.

    Pela sua lógica eu deveria ter o direito de advogar sem ter que bancar a anuidade de quase R$1.000,00 do meu conselho de classe mas que se eu não pagar, pode ter certeza que terei minha inscrição cancelada. Absurdo tirarem meu direito de trabalhar por ser pobre!!!rs

    ResponderExcluir
  112. Então,de acordo co a maioria das opiniões expressas aqui, uma pessoa como eu, habilitada porém que nunca pegou uma rodovia não teria o direito de ir nos meus 70/80 km/h inicialmente até pegar mais prática ou confiança (como se quiser chamar) mesmo tendo um 1.0 ou 1.6?? Em que momento vcs podem afirmar que TODAS as pessoas que vão à frente têm mais que condições mecânicas para acompanharem os 120km/h??

    ResponderExcluir
  113. Bob, para mim, o ponto forte desse seu post foi em relação aos caminhões. É impressionante como os veículos comerciais no Brasil são subdimensionados em relação à carga que carrega. Acabei de fazer um projeto tomando como base um caminhão rodoviário, do tipo cavalo-mecânico, e ao fazer os cálculos ficou nítida o quanto é impossível um veículo desses, utilizando parâmetros de desempenho do mercado brasileiro de caminhões, manter uma velocidade adequada em aclives.
    Em comparação à veículos comerciais utilizados nos EUA a diferença é gritante.

    ResponderExcluir
  114. Marcus Vinicius
    Ao se dirigir nos EUA ou mesmo na Europa os caminhões não atrapalham o fluxo nas subidas, nota-se logo isso. Os caminhões aqui, em regra, são subpontenciados mesmo.

    ResponderExcluir
  115. Bob e Marcus Vinícius,

    Discordo dos dois.

    Os caminhões brasileiros novos e modernos são bem dimensionados, o que ocorre é o sobre preso da capacidade de carga.

    ResponderExcluir
  116. Celio,

    Os caminhões realmente são mais modenos, porém, não correspondem à carga que carregam, e não é com sobre peso, mesmo com a carga nominal dificilmente um caminhão é capaz de manter uma velocidade de 90 ou 80km/h numa rodovia com qualquer aclive. É em relação a isso que eu fiz meu comentário.

    ResponderExcluir
  117. É muito triste pegar a estrada e dar de cara com um cara fazendo ultrapassagem perigosamente. As ultrapassagens mais perigosas que já vi, foram de carros 1,0 (por não reduzirem adequadamente a marcha, acredito eu) e carros de maiores motores, superestimando-se em curvas e locais sem visibilidade e/ou sem espaço adequado. O problema é a falta de educação, não o tamanho do motor. Um motorista que anda a 60km/h numa rodovia não duplicada atrapalha muito o fluxo. O pior é quando forma aquela fila enorme de carros de passeio, e até caminhões, atrás de um carro (geralmente velho e queimando óleo). E quem acha que carro 1,0 não dá pra acompanhar os 120km/h, nunca dirigiu (ao menos com a rpm adequada) um celtinha ou mille na estrada. Já dirigi siena 1,0 carregado e sei que dá pra andar sem atrapalhar os demais.

    ResponderExcluir
  118. e por falar em caminhões... Aqueles mais antigos deveriam ser proibidos de rodar. Cansei de ver velharias atrapalhando o fluxo e poluindo demais o ar. Não é só questão de velocidade e segurança nas rodovias, é de saúde pública também. Aqueal fumaça preta emitida por motores velhos/desregulados é altamente cancerígena e provoca inflamações nas vias respiratórias.

    ResponderExcluir

O Ae mudou de casa! Todos os posts do blog foram migrados para o site. Por favor busque por este post no site e deixe o seu comentário lá.
Um abraço!
www.autoentusiastas.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...